Para quem desconhece o termo, “cheat meal” significa “refeição asneira”.

Esta tão conhecida expressão pressupõe que pudemos fazer periodicamente uma refeição hipercalórica (rica em calorias comparativamente a uma refeição normal).

Cheat Meal - Devo incluir na dieta?

Primeiro, é preciso alertar que nestas refeições a ingestão de calorias pode variar entre 1000 e 9000 calorias, numa refeição

Na minha opinião, o problema das cheat meals está na frequência com que a fazemos. Então, “cheat meal – devo incluir na dieta?”

Primeiro, defina qual é o seu objetivo em relação ao seu peso e composição corporal: sinto-me bem como estou ou quero emagrecer e melhorar a minha forma física?

Segundo, não existe evidência científica suficiente que verifique que as cheat meals desenvolvem alterações no metabolismo, de forma a emagrecer de forma mais rápida.

Desta forma, o único benefício que esta prática pode trazer passa pela possibilidade de serem feitas refeições sociais e pelo alívio do stress causado pela dieta, o que pode ser um fator que facilita a adesão ao plano alimentar.

É também importante referir que esta prática leva muitas vezes a um aumento da dificuldade em regressar à rotina nos dias seguintes à refeição livre.

Por isto, é importante entender e ter controlo suficiente para que ao fazer uma refeição livre seja apenas uma refeição e não o dia inteiro que poderá ser suficiente para comprometer os resultados de toda a semana de esforço.

Cheat Meal - Devo incluir na dieta?

Mas uma refeição deliciosa não tem de ser uma opção menos saudável! O ideal é, sempre que possível, optar por comida que, sendo saudável, dá, mesmo assim, aquela sensação de conforto. Deixo algumas sugestões que vão ajudar!

1. O Grande Livro da Alimentação Saudável

N’O Grande Livro da Alimentação Saudável, a nutricionista Ágata Roquette dá, além de conselhos práticos para toda a família, 50 receitas deliciosas e de fácil preparação para manter uma alimentação mais saudável.

2. Tudo o que comemos

“Geninha Horta Varatojo – diretora do Instituto Macrobiótico de Portugal (IMP) e uma das principais professoras de macrobiótica do país – oferece aqui todas as ferramentas para quem se quer iniciar na cozinha macrobiótica, ou para quem já conhece e se quer aperfeiçoar. Não faltam sugestões, das sopas às sobremesas e até bebidas e remédios caseiros.”

Deixo aqui uma das inúmeras receitas que vai encontrar neste livro, super simples e multifacetada:

Creme de Arroz

Ingredientes
  • 1 chávena de arroz demolhado
  • 6 a 8 chávenas de água
  • 1 pitada de sal

Preparação

Lave o arroz e cozinhe da mesma forma que o arroz cozinhado na pressão. No caso de preferir usar uma panela normal, não deixe que toda a água seja absorvida. Para variar, pode juntar legumes a gosto, como couve, cenoura, cebola, etc. Pode também cozinhar este creme com uma ameixa umeboshi que, por sua vez, substitui o sal.

DICA: Fortalece o sistema digestivo e é bom para pessoas debilitadas ou que se encontram em convalescença. Ótimo para comer ao pequeno-almoço, guarnecido com frutos secos, compotas de fruta, mel de arroz, canela, raspas de limão, etc.

3. Comida rápida e deliciosa

O chef irreverente diz-nos “nunca faço concessões quando se trata do sabor, mas são muitos os truques que aprendi ao longo dos anos para poupar tempo enquanto cozinhamos.
Neste livro, partilho esse conhecimento e a minha experiência para o ajudar a confecionar refeições incríveis num instante. Estas são as receitas a que recorro sempre que o tempo é curto. Usando sabores ousados e truques que poupam tempo sei que posso confecionar comida de qualidade superior em menos de 30 minutos.”

Wook.pt - Comida rápida e deliciosa

Neste livro vai encontrar pratos variados e deliciosos como este:

Receita - Salmão na frigideira com molho holandês e toranja rosa, Gordon Ramsay

Para mais artigos visitem a-chiclete, a-viagem e a-educa!

Nutricionista:
Inês Ligeiro Moreira | Cédula 2867N

Também pode gostar de: